Origem e evolução


A raça Limousine é originária da região Limousin, em França, na qual os bovinos Limousine eram utilizados como animais de trabalho, devido à sua elevada robustez física e grande docilidade.

A robustez dos animais Limousine resultou da necessidade de adaptação a condições naturais duras associadas a esta região francesa, com solos graníticos, ácidos e com relevo bastante acidentado, com amplitudes térmicas entre os -15° C e os 30° C, com queda de neve, possibilitando contudo a adaptação desta raça a uma grande variedade de condições rurais, de onde resultou a sua dispersão por todo o mundo.

Com a evolução no setor agrícola e a mecanização gradual desta atividade, a grande autonomia da raça Limousine, em termos de facilidade de partos e o rápido crescimento, resultaram na seleção dos animais que melhor conjugassem todas estas características, dando início a uma história de sucesso no contexto pecuário mundial.

A ligação da raça Limousine com Portugal sempre se realizou através de ligações diretas com a casa mãe em França, de onde resultou um património genético em Portugal de elevada pureza e qualidade. Nalguns países anglo-saxónicos a raça Limousine foi cruzada com outras raças de carne, existindo nesses países animais de cor preta, resultantes desses cruzamentos. Em Portugal nunca houve animais dessa tipologia, sendo a pelagem flava, integralmente castanha com extremidades mais claras, a única admissível no Livro Genealógico.

A raça Limousine chegou a Portugal em meados do século XX, e conta atualmente com um efetivo de mais de 4000 fêmeas reprodutoras em controlo de performance, alicerçado num património genético nacional completamente robusto, estabilizado e de elevada qualidade, produzindo anualmente machos e fêmeas melhoradoras, contributo fundamental para a evolução gradual do património bovino nacional, sendo a raça preferida em Portugal, com mais de metade de todos os touros reprodutores ativos.